Diálogos

 

DIÁLOGO 1:

Cobra Rastejante:

Ei, desce aqui!

Macaco Astuto
— Ei, sobe aqui!

E quando houve a tal transição, adivinha o que o macaco astuto disse ao encontrar a senhorita cobra rastejante?

Nada.

Eram tantas idéias, tantas palavras, que ele ficou observando, do alto de sua árvore, a senhorita cobra rastejante trocar de pele.

Na floresta eram muitos macacos, cada um no seu galho. E pelo chão, centenas de peles, muitas específicas de cada uma das estações do ano.

Senhorita cobra rastejante mudou sua dieta e adquiriu hábitos de tatu bola. Macaco astuto de tão astuto percorreu os mais belos galhos mas sempre sozinho. Ele tinha memória colorida desde a infância.

A floresta, Mãe Soberana, sabe que cobra, símbolo da cura, e macaco, símbolo da inteligência, podem conviver harmoniosamente apesar do Homem ter atribuído à cobra o símbolo da traição e ao macaco o estigma da extinção.

Essa é a verdadeira esperança: que um dia galhos e chãos possam estar em harmonia e que os símbolos tenham uma morte tranqüila.

DIÁLOGO 2:

Ela desabafa:

– Enquanto você fica aí, contando seus minutos gratuitos de solidão, meu descontentamento é quebrado então pela leve queda livre das folhas das árvores altas do nosso quintal. De repente, você não vê, mas abro-me para um sorriso suave que você nunca me deu, que não me toma muito tempo. Será a morte do nosso amor?

Ele pergunta:

– O que é a morte então? A você, com que se parece?

Ela responde:

– A morte (sutil aos meus olhos) das centenas de folhas desperta a poesia antes amedrontada dentro de mim. A morte intensa aos veios da árvore e do seu olhar cheio de escapulidas faíscas permite que eu desfrute da iluminação existente na natureza. A mim ela não se parece com nada. A morte do nosso amor nada tem a ver com a natureza.

Ele ri:

– Ora, o que estou fazendo aqui então, desfolhando seus mistérios, meus mistérios, sentindo as mortes que acontecem a todo momento dentro das coisas ao redor? Que vida sem sentindo! É claro que isso tem a ver com a natureza. Nosso amor está morrendo e você se importa mais com as folhas!

Ela explica:

– Eis aí um tipo de celebração que nossos corpos ainda não se permitiram. Achas que tudo está acabando com tristeza… Nada sabemos sobre o futuro, não sabemos o que nos aguarda. Eu só peço que não desista de fazer algo. Não critique meu gosto pelas árvores e quando voltar, traga-me café, por favor.

Se despedem aqueles dois.

Sem opção para aquele momento, ela casa-se com o cosmo, por mais que essa tal união seja breve.

Ele escuta música, escuta seus pensamentos, tenta transmiti-los ao ofício diário.

Ela casa-se e a idéia do outro assume um tipo de concretude que não necessita explicação.

Casa-se com a amplitude que os rodeia. Casa-se consigo mesma, com as folhas que caem, com as irmãs mais velhas, altas e verdes.

Daqui a pouco cada um partirá dentro de um tipo de retorno que não tem onda certa de transmissão.

Daqui a pouco os olhos verdes estarão mais uma vez soltos nesse mundo estranho e fantástico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s