“In-chuva-da” (sobre a janela chuvosa)

 

Chuva chegou

Quintal meu

Tão interno

Alagou-se.

Não deu goteira

Telhado marrom

Minha esperança

Alojou-se.

Chuva lavou

Flores no varal

A menina siriguela

Avermelhou-se.

Esfriou a casa

Quintal meu

Tão invernado

Alardeou-se.

 

poema da série

Libertinagem de revoadas solitárias

– pequeno ensaio que antecede o parto

escrito no Tocantins e em andanças durante a estação das águas do ano de 2007.)

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s